http://www.ideaonline.com.br/conteudo/2-inovacana.html
http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://bit.ly/2ktdMMm
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

A biblioteca da Canaoeste em festa

Voltar

Geral

14/02/2018

Por: Fernanda Clariano


Fundada em 14 de dezembro de 1972 e colecionadora de muitas histórias, a Biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo”, mantida pela Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo), completou 45 anos. A instituição recebeu este nome como forma de homenagem do presidente da associação na época, Fernandes dos Reis, ao presidente do IAA (Instituto do Açúcar e do Álcool), que doou uma coleção de livros sobre cana-de-açúcar à Canaoeste quando soube do projeto.

São quatro décadas e meia prestando serviços socioculturais aos moradores de Sertãozinho e da região, fortalecendo o hábito da leitura, promovendo conhecimento cultural e garantindo o acesso a todos os tipos de informações por meio de um acervo com mais de 12 mil itens entre livros, revistas, HQs, vídeos e discos.

A biblioteca da Canaoeste sempre teve e mantém até hoje um compromisso importante com seus associados, cooperados e com a população de Sertãozinho e da região, sendo mais uma opção gratuita de acesso ao livro, ao lazer e à informação que vai além das bibliotecas públicas. Atualmente, a biblioteca conta com mais de 1000 consulentes e atende semanalmente em torno de 200 pessoas, direta e indiretamente, além de parcerias com o Instituto Cultural Engenho Central, Museu da Cana e USP (Universidade de São Paulo), o que torna o trabalho da biblioteca cada vez mais sólido e relevante na comunidade.

No passado, atendia apenas aos fornecedores de cana e seus familiares, que tinham a biblioteca como um instrumento auxiliar para os seus estudos. O presidente da Canaoeste, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan, relembra alguns fatos: “Uma das lembranças que eu tenho é que a biblioteca tinha várias mesas e uma frequência grande de alunos (filhos de fornecedores) que iam estudar e fazer os seus trabalhos escolares.

Hoje é um pouco diferente daquela época, o hábito da leitura mudou muito devido à tecnologia e, para atender esse público, a biblioteca disponibiliza computadores para quem está inserido nessa modernidade, pois muitos preferem realizar suas pesquisas na internet e eu acredito que tudo é válido, o importante é ter o hábito da leitura, seja por meio dos livros, celular ou mesmo no computador”, analisou.

Um personagem que vem fazendo parte dessa história real é o bibliotecário Haroldo Luís Beraldo, que há seis anos e meio realiza um belíssimo trabalho junto a biblioteca da Canaoeste. “Não é nada comum uma empresa manter uma biblioteca aberta como a Canaoeste faz há 45 anos e estar à frente deste trabalho é uma honra, assim como uma responsabilidade enorme”, disse orgulhoso o bibliotecário, que ainda ressaltou dois fatos marcantes para ele nesses anos de trabalho junto à instituição: “A mudança para a casa onde estamos hoje e, ao mesmo tempo, a abertura dos serviços que prestamos para o público geral, são dois fatos muito importantes que me marcaram. Hoje atendemos não apenas aos cooperados, associados e colaboradores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred, mas toda a comunidade de Sertãozinho e região que nos visita e procura nossos serviços”, afirmou.

Além dos livros
Promover o acesso aos livros junto aos leitores é um diferencial da biblioteca da Canaoeste. Por meio do projeto Geladeiroteca, o leitor tem acesso gratuito aos livros sem a obrigação de devolvê-los e, através dele, muitas pessoas que não tinham a oportunidade de ler um livro passaram a ter. Instituições como o Asilo de Sertãozinho e várias escolas da cidade também participam das atividades realizadas, onde além dos livros, prestigiam apresentação teatral e musical. “O bibliotecário da Canaoeste leva a biblioteca aos leitores, ele busca o público, movimenta. Eu acredito que não adianta só existir a biblioteca, ela tem que exercer a sua função que é promover e divulgar a leitura. Felizmente, para nós, é motivo de muita satisfação saber que a biblioteca vem cumprindo um bom papel junto a nossa comunidade”, avaliou Ortolan.

Eles também comemoram
“Fico muito feliz por esse marco na história da Biblioteca da Canaoeste, pois com 45 anos de serviços prestados muitas pessoas tiveram o privilégio de buscar a ajuda necessária em cada etapa de sua vida. Sei que muitos lá frequentaram e frequentam,  tiveram a experiência  e o prazer de buscar  novos conhecimentos por meio da leitura e aprenderam algo de bom. Há mais de quatro anos frequento a biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo” e a vejo com muito bons olhos, o seu acervo é um dos melhores da cidade”, ressaltou a auxiliar de contabilidade I da Copercana, Josicleide Silva Araújo Brito. 

“Desde 2013, ano em que iniciei o meu trabalho na cooperativa, solicito livros junto a biblioteca da Canaoeste e acho muito interessante o trabalho cultural, social, intelectual que é desenvolvido, não só para os funcionários, mas também da população que é beneficiada. Quero parabenizar todos os apoiadores desse projeto que já perdura há quatro décadas e meia e desejar que essa filosofia de disseminar o conhecimento e o saber continue sendo propagada”, disse o assistente de sinistro II da Corretora de Seguros da Copercana, Carlos Eduardo Sanches.

“Já tomei por empréstimo vários livros sobre assuntos técnicos referente à minha área de atuação na parte agrícola, bem como livros de suspense e aventura e, pela excelência dos serviços prestados, o meu desejo é que a biblioteca da Canaoeste continue ultrapassando obstáculos visando ao seu crescimento e, principalmente, buscando sempre atingir sua missão: garantir à comunidade o acesso à informação e ao conhecimento como forma de impulsionar e potencializar o desenvolvimento cultural. Não poderia deixar de falar do projeto Geladeiroteca, que é uma nobre iniciativa da biblioteca de levar os livros mais próximos das pessoas, uma ação muito interessante. A biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo” está de parabéns!”, reconheceu o engenheiro agrônomo da Canaoeste (filial Pitangueiras), Edson Fernandes Júnior.

Fonte: Revista Canavieiros

A biblioteca da Canaoeste em festa

14/02/2018

Por: Fernanda Clariano


Fundada em 14 de dezembro de 1972 e colecionadora de muitas histórias, a Biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo”, mantida pela Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo), completou 45 anos. A instituição recebeu este nome como forma de homenagem do presidente da associação na época, Fernandes dos Reis, ao presidente do IAA (Instituto do Açúcar e do Álcool), que doou uma coleção de livros sobre cana-de-açúcar à Canaoeste quando soube do projeto.

São quatro décadas e meia prestando serviços socioculturais aos moradores de Sertãozinho e da região, fortalecendo o hábito da leitura, promovendo conhecimento cultural e garantindo o acesso a todos os tipos de informações por meio de um acervo com mais de 12 mil itens entre livros, revistas, HQs, vídeos e discos.

A biblioteca da Canaoeste sempre teve e mantém até hoje um compromisso importante com seus associados, cooperados e com a população de Sertãozinho e da região, sendo mais uma opção gratuita de acesso ao livro, ao lazer e à informação que vai além das bibliotecas públicas. Atualmente, a biblioteca conta com mais de 1000 consulentes e atende semanalmente em torno de 200 pessoas, direta e indiretamente, além de parcerias com o Instituto Cultural Engenho Central, Museu da Cana e USP (Universidade de São Paulo), o que torna o trabalho da biblioteca cada vez mais sólido e relevante na comunidade.

No passado, atendia apenas aos fornecedores de cana e seus familiares, que tinham a biblioteca como um instrumento auxiliar para os seus estudos. O presidente da Canaoeste, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan, relembra alguns fatos: “Uma das lembranças que eu tenho é que a biblioteca tinha várias mesas e uma frequência grande de alunos (filhos de fornecedores) que iam estudar e fazer os seus trabalhos escolares.

Hoje é um pouco diferente daquela época, o hábito da leitura mudou muito devido à tecnologia e, para atender esse público, a biblioteca disponibiliza computadores para quem está inserido nessa modernidade, pois muitos preferem realizar suas pesquisas na internet e eu acredito que tudo é válido, o importante é ter o hábito da leitura, seja por meio dos livros, celular ou mesmo no computador”, analisou.

Um personagem que vem fazendo parte dessa história real é o bibliotecário Haroldo Luís Beraldo, que há seis anos e meio realiza um belíssimo trabalho junto a biblioteca da Canaoeste. “Não é nada comum uma empresa manter uma biblioteca aberta como a Canaoeste faz há 45 anos e estar à frente deste trabalho é uma honra, assim como uma responsabilidade enorme”, disse orgulhoso o bibliotecário, que ainda ressaltou dois fatos marcantes para ele nesses anos de trabalho junto à instituição: “A mudança para a casa onde estamos hoje e, ao mesmo tempo, a abertura dos serviços que prestamos para o público geral, são dois fatos muito importantes que me marcaram. Hoje atendemos não apenas aos cooperados, associados e colaboradores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred, mas toda a comunidade de Sertãozinho e região que nos visita e procura nossos serviços”, afirmou.

Além dos livros
Promover o acesso aos livros junto aos leitores é um diferencial da biblioteca da Canaoeste. Por meio do projeto Geladeiroteca, o leitor tem acesso gratuito aos livros sem a obrigação de devolvê-los e, através dele, muitas pessoas que não tinham a oportunidade de ler um livro passaram a ter. Instituições como o Asilo de Sertãozinho e várias escolas da cidade também participam das atividades realizadas, onde além dos livros, prestigiam apresentação teatral e musical. “O bibliotecário da Canaoeste leva a biblioteca aos leitores, ele busca o público, movimenta. Eu acredito que não adianta só existir a biblioteca, ela tem que exercer a sua função que é promover e divulgar a leitura. Felizmente, para nós, é motivo de muita satisfação saber que a biblioteca vem cumprindo um bom papel junto a nossa comunidade”, avaliou Ortolan.

Eles também comemoram
“Fico muito feliz por esse marco na história da Biblioteca da Canaoeste, pois com 45 anos de serviços prestados muitas pessoas tiveram o privilégio de buscar a ajuda necessária em cada etapa de sua vida. Sei que muitos lá frequentaram e frequentam,  tiveram a experiência  e o prazer de buscar  novos conhecimentos por meio da leitura e aprenderam algo de bom. Há mais de quatro anos frequento a biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo” e a vejo com muito bons olhos, o seu acervo é um dos melhores da cidade”, ressaltou a auxiliar de contabilidade I da Copercana, Josicleide Silva Araújo Brito. 

“Desde 2013, ano em que iniciei o meu trabalho na cooperativa, solicito livros junto a biblioteca da Canaoeste e acho muito interessante o trabalho cultural, social, intelectual que é desenvolvido, não só para os funcionários, mas também da população que é beneficiada. Quero parabenizar todos os apoiadores desse projeto que já perdura há quatro décadas e meia e desejar que essa filosofia de disseminar o conhecimento e o saber continue sendo propagada”, disse o assistente de sinistro II da Corretora de Seguros da Copercana, Carlos Eduardo Sanches.

“Já tomei por empréstimo vários livros sobre assuntos técnicos referente à minha área de atuação na parte agrícola, bem como livros de suspense e aventura e, pela excelência dos serviços prestados, o meu desejo é que a biblioteca da Canaoeste continue ultrapassando obstáculos visando ao seu crescimento e, principalmente, buscando sempre atingir sua missão: garantir à comunidade o acesso à informação e ao conhecimento como forma de impulsionar e potencializar o desenvolvimento cultural. Não poderia deixar de falar do projeto Geladeiroteca, que é uma nobre iniciativa da biblioteca de levar os livros mais próximos das pessoas, uma ação muito interessante. A biblioteca “General Álvaro Tavares Carmo” está de parabéns!”, reconheceu o engenheiro agrônomo da Canaoeste (filial Pitangueiras), Edson Fernandes Júnior.