http://bit.ly/2ktdMMm
http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br/
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/14-seminario-sobre-controle-de-pragas-da-cana.html
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

Agronegócio movimenta 1,6 bilhão de toneladas ao ano, diz Embrapa

Voltar

Agronegócio

07/03/2018

O agronegócio brasileiro gera 1,6 bilhão de toneladas de carga para ser transportada pelo País e necessita de 43 milhões de fretes por ano, apontou há pouco o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo Miranda, ao lançar o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária Brasileira. É um volume maior do que o setor de mineração, que movimenta 1,4 bilhão de toneladas.
 
Uma logística eficiente pode elevar a renda do produtor em 34%, informou.
 
O sistema, disponível na Internet, tem informações detalhadas sobre o que é produzido no País e como esses produtos são escoados. A ideia é que ele forneça subsídios para a definição de políticas públicas. Empresas também podem se beneficiar das informações para decidir seus investimentos.
 
Os dados permitiram selecionar um conjunto de obras prioritárias para o agronegócio. Entre as rodovias, ele aponta para a BR-163 em Mato Grosso e Pará, a BR-080, para permitir que a carga possa ser transferida da bacia logística do porto de Vila do Conde (PA) para o de Itaqui (MA), a BR 364, que dá acesso da produção do oeste de Mato Grosso à hidrovia, a Rodovia do Frango em Santa Catarina e a do Boiadeiro, no Paraná.
 
Dessas obras, algumas estão no programa de concessões do governo Temer. É o caso da Rodovia do Frango e a BR 364.
 
Entre as ferrovias, ela aponta para a necessidade da Ferrogrão, entre Sinop (MT) e Miritibuba (PA), o Ferroanel de São Paulo e a necessidade de reestudar o traçado da Ferrovia de Integração do Centro Oeste, ainda não construída. Tal como projetada, a linha está desconectada dos centros de produção.
 
Em hidrovias, a prioridade seria aprimorar a do rio Madeira, que ainda necessita de sinalização e outras melhorias, e dragar o canal do Quiriri, que dá acesso ao porto de Vila do Conde. Hoje ele dificulta o trânsito de navios de maior calado.
 
*Texto extraído da coluna Broadcast do Agro.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Agronegócio movimenta 1,6 bilhão de toneladas ao ano, diz Embrapa

07/03/2018

O agronegócio brasileiro gera 1,6 bilhão de toneladas de carga para ser transportada pelo País e necessita de 43 milhões de fretes por ano, apontou há pouco o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo Miranda, ao lançar o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária Brasileira. É um volume maior do que o setor de mineração, que movimenta 1,4 bilhão de toneladas.
 
Uma logística eficiente pode elevar a renda do produtor em 34%, informou.
 
O sistema, disponível na Internet, tem informações detalhadas sobre o que é produzido no País e como esses produtos são escoados. A ideia é que ele forneça subsídios para a definição de políticas públicas. Empresas também podem se beneficiar das informações para decidir seus investimentos.
 
Os dados permitiram selecionar um conjunto de obras prioritárias para o agronegócio. Entre as rodovias, ele aponta para a BR-163 em Mato Grosso e Pará, a BR-080, para permitir que a carga possa ser transferida da bacia logística do porto de Vila do Conde (PA) para o de Itaqui (MA), a BR 364, que dá acesso da produção do oeste de Mato Grosso à hidrovia, a Rodovia do Frango em Santa Catarina e a do Boiadeiro, no Paraná.
 
Dessas obras, algumas estão no programa de concessões do governo Temer. É o caso da Rodovia do Frango e a BR 364.
 
Entre as ferrovias, ela aponta para a necessidade da Ferrogrão, entre Sinop (MT) e Miritibuba (PA), o Ferroanel de São Paulo e a necessidade de reestudar o traçado da Ferrovia de Integração do Centro Oeste, ainda não construída. Tal como projetada, a linha está desconectada dos centros de produção.
 
Em hidrovias, a prioridade seria aprimorar a do rio Madeira, que ainda necessita de sinalização e outras melhorias, e dragar o canal do Quiriri, que dá acesso ao porto de Vila do Conde. Hoje ele dificulta o trânsito de navios de maior calado.
 
*Texto extraído da coluna Broadcast do Agro.