Câmbio 'destrava' mercado de grãos

Voltar

Agricultura

19/06/2017

Travada desde o fim do ano passado, em razão da queda de preços, a comercialização de soja e milho produzidos no país na safra 2016/17 ganhou impulso, em maio, graças à desvalorização do real em relação ao dólar.
Segundo o Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea), as vendas da soja já colhida no Estado chegaram a 78,2% da produção estimada (31,3 milhões de toneladas) até 12 de junho, um avanço de 9 pontos percentuais em relação a maio. Na comparação com o mesmo período do ano passado, contudo, ainda há atraso.
Já as vendas de milho cultivado na segunda safra em Mato Grosso chegou a 60,5% de um volume total projetado em 28,1 milhões de toneladas, crescimento de 13,8 pontos em relação a maio. No início de junho de 2016, os produtores já haviam vendido toda a produção do ciclo passado, que foi menor que a esperada em razão de problemas climáticos causados pelo El Niño. Nessa frente, leilões realizados pela Conab também alavancaram as vendas.
Mato Grosso lidera a colheita nacional de grãos, que está batendo recorde histórico neste ano. O desempenho puxou o PIB no primeiro trimestre e tem colaborado para a queda da inflação e para o incremento das exportações ­ em maio, os embarques de soja em grão bateram recorde mensal.
Apesar de a comercialização de grãos ter se acelerado em maio, o ritmo diminuiu nos últimos dias e os preços dos fretes para o transporte de soja e milho em geral caíram no país no mês. A tendência, agora, é de alta.
Travada desde o fim do ano passado, em razão da queda de preços, a comercialização de soja e milho produzidos no país na safra 2016/17 ganhou impulso, em maio, graças à desvalorização do real em relação ao dólar.
Segundo o Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea), as vendas da soja já colhida no Estado chegaram a 78,2% da produção estimada (31,3 milhões de toneladas) até 12 de junho, um avanço de 9 pontos percentuais em relação a maio. Na comparação com o mesmo período do ano passado, contudo, ainda há atraso.

Já as vendas de milho cultivado na segunda safra em Mato Grosso chegou a 60,5% de um volume total projetado em 28,1 milhões de toneladas, crescimento de 13,8 pontos em relação a maio. No início de junho de 2016, os produtores já haviam vendido toda a produção do ciclo passado, que foi menor que a esperada em razão de problemas climáticos causados pelo El Niño. Nessa frente, leilões realizados pela Conab também alavancaram as vendas.
Mato Grosso lidera a colheita nacional de grãos, que está batendo recorde histórico neste ano. O desempenho puxou o PIB no primeiro trimestre e tem colaborado para a queda da inflação e para o incremento das exportações ­ em maio, os embarques de soja em grão bateram recorde mensal.
Apesar de a comercialização de grãos ter se acelerado em maio, o ritmo diminuiu nos últimos dias e os preços dos fretes para o transporte de soja e milho em geral caíram no país no mês. A tendência, agora, é de alta.

Fonte: Valor Econômico

Câmbio 'destrava' mercado de grãos

19/06/2017

Travada desde o fim do ano passado, em razão da queda de preços, a comercialização de soja e milho produzidos no país na safra 2016/17 ganhou impulso, em maio, graças à desvalorização do real em relação ao dólar.
Segundo o Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea), as vendas da soja já colhida no Estado chegaram a 78,2% da produção estimada (31,3 milhões de toneladas) até 12 de junho, um avanço de 9 pontos percentuais em relação a maio. Na comparação com o mesmo período do ano passado, contudo, ainda há atraso.
Já as vendas de milho cultivado na segunda safra em Mato Grosso chegou a 60,5% de um volume total projetado em 28,1 milhões de toneladas, crescimento de 13,8 pontos em relação a maio. No início de junho de 2016, os produtores já haviam vendido toda a produção do ciclo passado, que foi menor que a esperada em razão de problemas climáticos causados pelo El Niño. Nessa frente, leilões realizados pela Conab também alavancaram as vendas.
Mato Grosso lidera a colheita nacional de grãos, que está batendo recorde histórico neste ano. O desempenho puxou o PIB no primeiro trimestre e tem colaborado para a queda da inflação e para o incremento das exportações ­ em maio, os embarques de soja em grão bateram recorde mensal.
Apesar de a comercialização de grãos ter se acelerado em maio, o ritmo diminuiu nos últimos dias e os preços dos fretes para o transporte de soja e milho em geral caíram no país no mês. A tendência, agora, é de alta.
Travada desde o fim do ano passado, em razão da queda de preços, a comercialização de soja e milho produzidos no país na safra 2016/17 ganhou impulso, em maio, graças à desvalorização do real em relação ao dólar.
Segundo o Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea), as vendas da soja já colhida no Estado chegaram a 78,2% da produção estimada (31,3 milhões de toneladas) até 12 de junho, um avanço de 9 pontos percentuais em relação a maio. Na comparação com o mesmo período do ano passado, contudo, ainda há atraso.

Já as vendas de milho cultivado na segunda safra em Mato Grosso chegou a 60,5% de um volume total projetado em 28,1 milhões de toneladas, crescimento de 13,8 pontos em relação a maio. No início de junho de 2016, os produtores já haviam vendido toda a produção do ciclo passado, que foi menor que a esperada em razão de problemas climáticos causados pelo El Niño. Nessa frente, leilões realizados pela Conab também alavancaram as vendas.
Mato Grosso lidera a colheita nacional de grãos, que está batendo recorde histórico neste ano. O desempenho puxou o PIB no primeiro trimestre e tem colaborado para a queda da inflação e para o incremento das exportações ­ em maio, os embarques de soja em grão bateram recorde mensal.
Apesar de a comercialização de grãos ter se acelerado em maio, o ritmo diminuiu nos últimos dias e os preços dos fretes para o transporte de soja e milho em geral caíram no país no mês. A tendência, agora, é de alta.