http://www.rgis.com.br
http://www.premiomulheresdoagro.com.br/
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/12-grande-encontro-sobre-variedades-de-cana-de-acucar.html
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

CPFL Energia registra alta de 41,4% no lucro líquido de 2017

Voltar

Energia

28/03/2018
  Compartilhe:

A CPFL Energia registrou lucro de R$ 1,24 bilhão em 2017, o que representa crescimento de 41,4% em relação ao ano anterior. Segundo a CPFL, o resultado reflete a melhoria no desempenho operacional de todas as áreas de negócio do grupo, com destaque para os segmentos de geração, para a recuperação do mercado e o impacto positivo da integração da RGE Sul.
 
Com isso, a CPFL Energia obteve, em 2017, o "maior Ebitda de sua história", no valor de R$ 4,9 bilhões. Isso significa alta de 17,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo desconsiderando a integração da RGE Sul nos resultados, o Ebitda em 2017 teria sido de R$ 4,5 bilhões, "também o maior da história, reforçando o bom desempenho de todos os negócios" do grupo.
 
Refletindo a retomada da atividade econômica e a incorporação dos resultados da RGE Sul, o volume de energia distribuído pelas concessionárias do grupo nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais teve um crescimento de 15,1% em 2017 frente a 2016, para 65,6 mil GWh. Excluindo o efeito da integração da RGE Sul, as vendas teriam crescido 2,1% na comparação anual. Na comparação trimestral, a expansão sem a RGE Sul teria sido de 4,8%, com destaque para o aumento das vendas de 5,6% no segmento industrial.
 
A CPFL Energia ainda reportou uma expansão de 39,9% na receita líquida na comparação entre 2016 e 2017, para R$ 26,7 bilhões, incluindo a RGE Sul. A empresa encerrou 2017 com uma relação dívida líquida/Ebitda de 3,20 vezes.
 
Na comparação entre o quarto trimestre de 2017 e igual período de 2016, a receita líquida apresentou alta de 35,3%, alcançando R$ 7,5 bilhões. O ebtida avançou 36% no trimestre, chegando a R$ 1,4 bilhão. O lucro líquido foi de 498 milhões, variação positiva de 262,6% na comparação com o quarto trimestre de 2016.
 
"Em 2017, a CPFL Energia passou por mudanças societárias e organizacionais relevantes, com a chegada de um novo acionista controlador, agrupamento de empresas e desenvolvimento de novos negócios. Mesmo diante deste cenário, o Grupo manteve o foco e a disciplina na execução dos seus planos estratégico e operacional, alcançando o maior Ebitda de sua história e melhora em seus indicadores operacionais ", afirmou o presidente da CPFL Energia, Andre Dorf, em comunicado à imprensa.
 
A CPFL Energia realizou em 2017 o maior investimento da história, totalizando R$ 2,6 bilhões. O valor representa um crescimento de 14,3% em relação a 2016. Deste montante, o grupo investiu R$ 1,883 bilhão em distribuição, forte crescimento de 56,8% frente ao mesmo período de 2016. Em geração, o investimento ficou em R$ 630 milhões em 2017, dos quais R$ 621 milhões em geração renovável, realizados pela controlada CPFL Renováveis.
 
Os recursos foram destinados, principalmente, aos parques eólicos do Complexo Pedra Cheirosa, que entraram em operação em junho de 2017, e à Pequena Central Hidrelétrica Boa Vista II, que ainda está em construção. A energia eólica já compõe 26% de toda a energia gerada pela Companhia. Ao final de 2017, a capacidade instalada do parque gerador do Grupo CPFL somava 3.283 MW.
 
Para os próximos cinco anos, entre 2018 e 2022, a CPFL Energia prevê investimentos de R$ 10,4 bilhões, dos quais R$ 9,8 bilhões em distribuição, R$ 455 milhões em geração e R$ 176 milhões em comercialização e serviços. Os valores não incluem eventuais aquisições de ativos e novos projetos de geração com a energia vendida em leilões regulados ou mercado livre. Para 2018, a CPFL Energia prevê investimentos totais de R$ 2,1 bilhões.
 

Fonte: Canal Energia

CPFL Energia registra alta de 41,4% no lucro líquido de 2017

28/03/2018

A CPFL Energia registrou lucro de R$ 1,24 bilhão em 2017, o que representa crescimento de 41,4% em relação ao ano anterior. Segundo a CPFL, o resultado reflete a melhoria no desempenho operacional de todas as áreas de negócio do grupo, com destaque para os segmentos de geração, para a recuperação do mercado e o impacto positivo da integração da RGE Sul.
 
Com isso, a CPFL Energia obteve, em 2017, o "maior Ebitda de sua história", no valor de R$ 4,9 bilhões. Isso significa alta de 17,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo desconsiderando a integração da RGE Sul nos resultados, o Ebitda em 2017 teria sido de R$ 4,5 bilhões, "também o maior da história, reforçando o bom desempenho de todos os negócios" do grupo.
 
Refletindo a retomada da atividade econômica e a incorporação dos resultados da RGE Sul, o volume de energia distribuído pelas concessionárias do grupo nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais teve um crescimento de 15,1% em 2017 frente a 2016, para 65,6 mil GWh. Excluindo o efeito da integração da RGE Sul, as vendas teriam crescido 2,1% na comparação anual. Na comparação trimestral, a expansão sem a RGE Sul teria sido de 4,8%, com destaque para o aumento das vendas de 5,6% no segmento industrial.
 
A CPFL Energia ainda reportou uma expansão de 39,9% na receita líquida na comparação entre 2016 e 2017, para R$ 26,7 bilhões, incluindo a RGE Sul. A empresa encerrou 2017 com uma relação dívida líquida/Ebitda de 3,20 vezes.
 
Na comparação entre o quarto trimestre de 2017 e igual período de 2016, a receita líquida apresentou alta de 35,3%, alcançando R$ 7,5 bilhões. O ebtida avançou 36% no trimestre, chegando a R$ 1,4 bilhão. O lucro líquido foi de 498 milhões, variação positiva de 262,6% na comparação com o quarto trimestre de 2016.
 
"Em 2017, a CPFL Energia passou por mudanças societárias e organizacionais relevantes, com a chegada de um novo acionista controlador, agrupamento de empresas e desenvolvimento de novos negócios. Mesmo diante deste cenário, o Grupo manteve o foco e a disciplina na execução dos seus planos estratégico e operacional, alcançando o maior Ebitda de sua história e melhora em seus indicadores operacionais ", afirmou o presidente da CPFL Energia, Andre Dorf, em comunicado à imprensa.
 
A CPFL Energia realizou em 2017 o maior investimento da história, totalizando R$ 2,6 bilhões. O valor representa um crescimento de 14,3% em relação a 2016. Deste montante, o grupo investiu R$ 1,883 bilhão em distribuição, forte crescimento de 56,8% frente ao mesmo período de 2016. Em geração, o investimento ficou em R$ 630 milhões em 2017, dos quais R$ 621 milhões em geração renovável, realizados pela controlada CPFL Renováveis.
 
Os recursos foram destinados, principalmente, aos parques eólicos do Complexo Pedra Cheirosa, que entraram em operação em junho de 2017, e à Pequena Central Hidrelétrica Boa Vista II, que ainda está em construção. A energia eólica já compõe 26% de toda a energia gerada pela Companhia. Ao final de 2017, a capacidade instalada do parque gerador do Grupo CPFL somava 3.283 MW.
 
Para os próximos cinco anos, entre 2018 e 2022, a CPFL Energia prevê investimentos de R$ 10,4 bilhões, dos quais R$ 9,8 bilhões em distribuição, R$ 455 milhões em geração e R$ 176 milhões em comercialização e serviços. Os valores não incluem eventuais aquisições de ativos e novos projetos de geração com a energia vendida em leilões regulados ou mercado livre. Para 2018, a CPFL Energia prevê investimentos totais de R$ 2,1 bilhões.