http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br/
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

Custo para exportação de açúcar em contêiner aumentou 17,4% em dois anos

Voltar

Açúcar

01/02/2018

Segundo maior produtor de cana-de-açúcar do País, perdendo apenas para São Paulo, o estado de Goiás almeja aumentar a produtividade em quase 8% na safra atual, segundo estima a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Por outro lado, o custo para a exportação de açúcar em contêiner aumentou 17,4% nos últimos dois anos.
 
É o que mostra recente análise da Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Empresas Transportadoras de Contêineres (ABTTC), ao apurar que o custo subiu nos terminais retroportuários que operam na Baixada Santista. O estudo avalia os custos de cada fase do processo de exportação da commodity, desde a chegada da carga no terminal retroportuário, englobando os custos de estufagem, administrativos, operacionais e tributários, até o custo do transporte do contêiner cheio ao terminal portuário.
 
Em 2016 este custo era de R$ 1.277,92, já em 2018 o mesmo passou para R$ 1.499,72, representando uma variação de 17,4% no período. Foi constatado que aproximadamente 74,7% do custo apurado não sofre qualquer interferência do terminal onde o processo é realizado, pois são tributários, custos de transporte realizado por transportadores autônomos e de estufagem, que usualmente é realizado por trabalhadores avulsos vinculados ao Sindicato dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias em Geral e dos Arrumadores (Sintrammar).
 
Outra estatística, fora do estudo da ABTTC, desta vez no estado de Santa Catarina, mostra que a soja teve bons resultados. O último ano foi marcado pela maior safra de soja da história, sendo que boa parte da produção tem como destinos outros mercados, no exterior. O produto respondeu por 9,7% de tudo o que o estado exportou em 2017 e, de janeiro a novembro do último ano, foram embarcadas 1,8 milhão de toneladas do grão - 17,9% a mais do que em 2016.
 
Em cinco anos, as exportações catarinenses do complexo soja aumentaram 116%. Passando de 874,3 mil toneladas em 2012 para 1,8 milhão de toneladas no último ano e faturando US$ 745,7 milhões. O crescimento maior foi observado nas vendas do grão, já produtos como óleo de soja e farelo de soja tiveram uma retração nesse período. Os principais destinos das exportações são China, Rússia, Coreia do Sul e Tailândia.

*Com informações da ABTTC e MB Comunicação


Fonte: Revista Safra

Custo para exportação de açúcar em contêiner aumentou 17,4% em dois anos

01/02/2018

Segundo maior produtor de cana-de-açúcar do País, perdendo apenas para São Paulo, o estado de Goiás almeja aumentar a produtividade em quase 8% na safra atual, segundo estima a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Por outro lado, o custo para a exportação de açúcar em contêiner aumentou 17,4% nos últimos dois anos.
 
É o que mostra recente análise da Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Empresas Transportadoras de Contêineres (ABTTC), ao apurar que o custo subiu nos terminais retroportuários que operam na Baixada Santista. O estudo avalia os custos de cada fase do processo de exportação da commodity, desde a chegada da carga no terminal retroportuário, englobando os custos de estufagem, administrativos, operacionais e tributários, até o custo do transporte do contêiner cheio ao terminal portuário.
 
Em 2016 este custo era de R$ 1.277,92, já em 2018 o mesmo passou para R$ 1.499,72, representando uma variação de 17,4% no período. Foi constatado que aproximadamente 74,7% do custo apurado não sofre qualquer interferência do terminal onde o processo é realizado, pois são tributários, custos de transporte realizado por transportadores autônomos e de estufagem, que usualmente é realizado por trabalhadores avulsos vinculados ao Sindicato dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias em Geral e dos Arrumadores (Sintrammar).
 
Outra estatística, fora do estudo da ABTTC, desta vez no estado de Santa Catarina, mostra que a soja teve bons resultados. O último ano foi marcado pela maior safra de soja da história, sendo que boa parte da produção tem como destinos outros mercados, no exterior. O produto respondeu por 9,7% de tudo o que o estado exportou em 2017 e, de janeiro a novembro do último ano, foram embarcadas 1,8 milhão de toneladas do grão - 17,9% a mais do que em 2016.
 
Em cinco anos, as exportações catarinenses do complexo soja aumentaram 116%. Passando de 874,3 mil toneladas em 2012 para 1,8 milhão de toneladas no último ano e faturando US$ 745,7 milhões. O crescimento maior foi observado nas vendas do grão, já produtos como óleo de soja e farelo de soja tiveram uma retração nesse período. Os principais destinos das exportações são China, Rússia, Coreia do Sul e Tailândia.

*Com informações da ABTTC e MB Comunicação