http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/2-inovacana.html
http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://bit.ly/2ktdMMm
http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br/

Estudo identifica estoques de carbono do Brasil

Voltar

Meio Ambiente

25/01/2018

As emissões na atmosfera de gases do efeito estufa por parte do Brasil chegaram em 2017 a três giga toneladas de carbono, tendo o maior aumento desde 2004. As informações foram divulgadas neste mês e são parte do último levantamento do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases do Efeito Estufa, que é realizado pelo Observatório do Clima.


Pela primeira vez os pesquisadores do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) , órgão da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), junto com pesquisadores da Universidade KHT Royal Institute of Technology, conseguiram identificar onde estão as maiores concentrações de carbono no Brasil e também a quem pertencem. O estudo foi chamado de “Who owns the Brazilian Carbon?”.


A pesquisa usou dados da malha fundiária do Brasil, além de quantificar e checar onde estão localizados os estoques de carbonos em todas as terras do país, sendo públicas ou privadas, em todos os biomas.


Para Vinícius Guidotti, pesquisador do Imaflora, o estudo também mostrou os riscos e possíveis ameaças aos estoques. A intenção seria contribuir para a construção de políticas públicas e privadas para mitigar o aquecimento global.


Ele cita que 50% dessas emissões tem a ver com a mudança do uso da terra ou desmatamento da vegetação nativa, especialmente na Amazônia e Cerrado e outros 25% seriam ligados à produção agropecuária, podendo ser de carne, commodities ou outras culturas agrícolas.


 “A ausência de titulação de terras ou de uma destinação legal clara para 80 milhões de hectares de vegetação, que representam 25% do estoque de carbono do Brasil, estão sujeitos ao desmatamento ilegal, o que levaria a um aumento das emissões brasileiras de gases de efeito estufa”, afirmou Guidotti ao Portal da SNA (Sociedade Nacional de Agricultura).

Fonte: Agrolink

Estudo identifica estoques de carbono do Brasil

25/01/2018

As emissões na atmosfera de gases do efeito estufa por parte do Brasil chegaram em 2017 a três giga toneladas de carbono, tendo o maior aumento desde 2004. As informações foram divulgadas neste mês e são parte do último levantamento do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases do Efeito Estufa, que é realizado pelo Observatório do Clima.


Pela primeira vez os pesquisadores do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) , órgão da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), junto com pesquisadores da Universidade KHT Royal Institute of Technology, conseguiram identificar onde estão as maiores concentrações de carbono no Brasil e também a quem pertencem. O estudo foi chamado de “Who owns the Brazilian Carbon?”.


A pesquisa usou dados da malha fundiária do Brasil, além de quantificar e checar onde estão localizados os estoques de carbonos em todas as terras do país, sendo públicas ou privadas, em todos os biomas.


Para Vinícius Guidotti, pesquisador do Imaflora, o estudo também mostrou os riscos e possíveis ameaças aos estoques. A intenção seria contribuir para a construção de políticas públicas e privadas para mitigar o aquecimento global.


Ele cita que 50% dessas emissões tem a ver com a mudança do uso da terra ou desmatamento da vegetação nativa, especialmente na Amazônia e Cerrado e outros 25% seriam ligados à produção agropecuária, podendo ser de carne, commodities ou outras culturas agrícolas.


 “A ausência de titulação de terras ou de uma destinação legal clara para 80 milhões de hectares de vegetação, que representam 25% do estoque de carbono do Brasil, estão sujeitos ao desmatamento ilegal, o que levaria a um aumento das emissões brasileiras de gases de efeito estufa”, afirmou Guidotti ao Portal da SNA (Sociedade Nacional de Agricultura).