http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.rossam.com.br/index.html
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

Estudo trabalha na resistência à geada

Voltar

Meio Ambiente

29/10/2018
  Compartilhe:

Pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental (UWA) descobriram que uma proteína vegetal que desempenha um papel fundamental na maneira como as plantas respondem ao frio. A descoberta, publicada no New Phytologist , poderia ser usada para produzir safras resistentes à geada, o que economizaria milhões de dólares para a indústria agrícola a cada ano. 
 
De acordo com os pesquisadores, a nova descoberta pode impedir o impacto de eventos climáticos significativos, como as temperaturas baixas recordes do cinturão de trigo australiano neste ano, que eliminaram um milhão de toneladas do cereal. O Dr. Nicolas Taylor, da Escola de Ciências Moleculares da UWA, e o Centro de Excelência em Biologia Energética de Plantas (PEB) da UWA disse que, com as mudanças climáticas, é cada vez mais importante entender como as plantas respondem à temperatura. 

“Em nosso estudo, observamos plantas em condições de quase congelamento e observamos que houve uma diminuição na produção de ATP, a principal moeda energética das células vegetais, que levou a uma redução no crescimento. Com base em uma série de estudos internacionais, pensava-se anteriormente que outros componentes da produção de energia eram mais sensíveis do que está enzima, no entanto, ficamos surpresos ao identificar a ATP sintase como a culpada", comenta. 

Segundo a Dra. Sandra Kerbler, da UWA e da PEB, a descoberta levou a novas revelações sobre as respostas das plantas à temperatura. Para ela, os benefícios de se entender uma enzima crucial para a produção de energia tão sensível ao frio foram de grande utilidade para a indústria agrícola e para o futuro da produção de culturas resistentes à geada. 

"Uma melhor compreensão de como a produção de energia de uma planta é alterada em resposta a mudanças de temperatura poderia nos informar como melhoramos as plantas para melhor nos adaptarmos às mudanças climáticas.”, conclui.

Fonte: Agrolink

Estudo trabalha na resistência à geada

29/10/2018

Pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental (UWA) descobriram que uma proteína vegetal que desempenha um papel fundamental na maneira como as plantas respondem ao frio. A descoberta, publicada no New Phytologist , poderia ser usada para produzir safras resistentes à geada, o que economizaria milhões de dólares para a indústria agrícola a cada ano. 
 
De acordo com os pesquisadores, a nova descoberta pode impedir o impacto de eventos climáticos significativos, como as temperaturas baixas recordes do cinturão de trigo australiano neste ano, que eliminaram um milhão de toneladas do cereal. O Dr. Nicolas Taylor, da Escola de Ciências Moleculares da UWA, e o Centro de Excelência em Biologia Energética de Plantas (PEB) da UWA disse que, com as mudanças climáticas, é cada vez mais importante entender como as plantas respondem à temperatura. 

“Em nosso estudo, observamos plantas em condições de quase congelamento e observamos que houve uma diminuição na produção de ATP, a principal moeda energética das células vegetais, que levou a uma redução no crescimento. Com base em uma série de estudos internacionais, pensava-se anteriormente que outros componentes da produção de energia eram mais sensíveis do que está enzima, no entanto, ficamos surpresos ao identificar a ATP sintase como a culpada", comenta. 

Segundo a Dra. Sandra Kerbler, da UWA e da PEB, a descoberta levou a novas revelações sobre as respostas das plantas à temperatura. Para ela, os benefícios de se entender uma enzima crucial para a produção de energia tão sensível ao frio foram de grande utilidade para a indústria agrícola e para o futuro da produção de culturas resistentes à geada. 

"Uma melhor compreensão de como a produção de energia de uma planta é alterada em resposta a mudanças de temperatura poderia nos informar como melhoramos as plantas para melhor nos adaptarmos às mudanças climáticas.”, conclui.