http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://www.rgis.com.br
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/12-grande-encontro-sobre-variedades-de-cana-de-acucar.html
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.premiomulheresdoagro.com.br/

Kits de conversão para flex-fuel aumentarão demanda de etanol na França

Voltar

Combustível

05/02/2018
  Compartilhe:

O kit que possibilita o uso de combustíveis com até 85% de etanol em carros a gasolina, aprovado recentemente na França, fará a demanda interna de etanol disparar no próximo ano, declararam nesta terça-feira produtores locais.

Atualmente, o país consome em torno de 800 milhões de litros anuais de etanol, a maior parte derivada de beterraba-açucareira e grãos. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Produtores de Álcool Agrícola (SNPAA), o consumo deve aumentar em 22,5 milhões de litros.

A estimativa baseia-se numa previsão de aumento de 25% na demanda de E85.
Os conversores flex-fuel, aprovados no país em dezembro, permitem que carros a gasolina rodem com o E85, bem mais barato que a gasolina.

A SNPAA estima que até 10 milhões de donos de veículos possam optar pela conversão, levando em conta o número restrito de postos franceses que vendem E85 (no momento, cerca de mil num universo total de 11 mil postos de combustível) e a rentabilidade limitada da conversão para alguns motoristas.

O kit custa em média 700 euros, dependendo do modelo do carro e das adaptações necessárias, incluídos aí o custo da instalação por um mecânico autorizado e o valor da licença.

Segundo os produtores, a conversão se paga após um ano e meio para um veículo que rode 13 mil quilômetros por ano a uma média de 14 km/l, já considerando o menor rendimento do etanol em relação à gasolina.

Depois disso, o motorista pode economizar uma média de 500 euros por ano com o E85.
No entanto, como o consumo na França já atingiu o teto de mistura permitido para combustíveis de origem agrícola no setor de transporte, os produtores afirmam que a expansão do etanol (presente nas fórmulas E85 e SP95-E10, que é a gasolina padrão com 10% de teor de álcool) terá de excluir do cálculo do teto o combustível fabricado com resíduos de beterraba, como a polpa e o melaço.

Fonte: Reuters

Kits de conversão para flex-fuel aumentarão demanda de etanol na França

05/02/2018

O kit que possibilita o uso de combustíveis com até 85% de etanol em carros a gasolina, aprovado recentemente na França, fará a demanda interna de etanol disparar no próximo ano, declararam nesta terça-feira produtores locais.

Atualmente, o país consome em torno de 800 milhões de litros anuais de etanol, a maior parte derivada de beterraba-açucareira e grãos. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Produtores de Álcool Agrícola (SNPAA), o consumo deve aumentar em 22,5 milhões de litros.

A estimativa baseia-se numa previsão de aumento de 25% na demanda de E85.
Os conversores flex-fuel, aprovados no país em dezembro, permitem que carros a gasolina rodem com o E85, bem mais barato que a gasolina.

A SNPAA estima que até 10 milhões de donos de veículos possam optar pela conversão, levando em conta o número restrito de postos franceses que vendem E85 (no momento, cerca de mil num universo total de 11 mil postos de combustível) e a rentabilidade limitada da conversão para alguns motoristas.

O kit custa em média 700 euros, dependendo do modelo do carro e das adaptações necessárias, incluídos aí o custo da instalação por um mecânico autorizado e o valor da licença.

Segundo os produtores, a conversão se paga após um ano e meio para um veículo que rode 13 mil quilômetros por ano a uma média de 14 km/l, já considerando o menor rendimento do etanol em relação à gasolina.

Depois disso, o motorista pode economizar uma média de 500 euros por ano com o E85.
No entanto, como o consumo na França já atingiu o teto de mistura permitido para combustíveis de origem agrícola no setor de transporte, os produtores afirmam que a expansão do etanol (presente nas fórmulas E85 e SP95-E10, que é a gasolina padrão com 10% de teor de álcool) terá de excluir do cálculo do teto o combustível fabricado com resíduos de beterraba, como a polpa e o melaço.