http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.rgis.com.br
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://www.premiomulheresdoagro.com.br/
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/12-grande-encontro-sobre-variedades-de-cana-de-acucar.html

Milho: Após altas recentes, mercado esboça correção técnica e testa leves quedas na manhã desta 4ª na CBOT

Voltar

Geral

26/09/2018
  Compartilhe:

Os futuros do milho iniciaram o pregão desta quarta-feira (26) com ligeiras perdas, próximos da estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT). Às 9h08 (horário de Brasília), os vencimentos do cereal testavam quedas entre 0,25 e 0,75 pontos. A posição dezembro/18 era cotada a US$ 3,63 por bushel, enquanto o março/19 trabalhava a US$ 3,75 por bushel.

Depois das recentes valorizações, as cotações do cereal esboçam um movimento de correção técnica na manhã desta quarta-feira, conforme destacam as agências internacionais. Ainda nesta terça-feira, o mercado subiu, sustentado por uma venda de exportação adicional.

Por outro lado, a safra norte-americana permanece no radar dos investidores. Até o início dessa semana, cerca de 16% da área semeada já havia sido colhida, segundo dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Na semana anterior, o índice estava em 9%.

Fonte: Notícias Agrícolas

Milho: Após altas recentes, mercado esboça correção técnica e testa leves quedas na manhã desta 4ª na CBOT

26/09/2018

Os futuros do milho iniciaram o pregão desta quarta-feira (26) com ligeiras perdas, próximos da estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT). Às 9h08 (horário de Brasília), os vencimentos do cereal testavam quedas entre 0,25 e 0,75 pontos. A posição dezembro/18 era cotada a US$ 3,63 por bushel, enquanto o março/19 trabalhava a US$ 3,75 por bushel.

Depois das recentes valorizações, as cotações do cereal esboçam um movimento de correção técnica na manhã desta quarta-feira, conforme destacam as agências internacionais. Ainda nesta terça-feira, o mercado subiu, sustentado por uma venda de exportação adicional.

Por outro lado, a safra norte-americana permanece no radar dos investidores. Até o início dessa semana, cerca de 16% da área semeada já havia sido colhida, segundo dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Na semana anterior, o índice estava em 9%.