http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br/
http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

Milho: Em Chicago, mercado inicia pregão desta 6ª feira com ligeiras desvalorizações, próximo da estabilidade

Voltar

Agronegócio

11/05/2018

As cotações futuras do milho iniciaram o pregão desta sexta-feira (11) com ligeiras perdas. As principais posições do cereal exibiam quedas entre 0,50 e 1,25 pontos, por volta das 8h29 (horário de Brasília). O maio/18 era cotado a US$ 3,94 por bushel, enquanto o julho/18 operava a US$ 4,01 por bushel.
 
Depois do reporte do relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), divulgado nesta quinta-feira, as atenções dos investidores estão voltadas ao plantio da nova safra americana, conforme destacam as agências internacionais. O órgão atualiza as informações de plantio na próxima segunda-feira.
 
Até o último domingo, cerca de 39% da área havia sido cultivada. A média dos últimos anos para o período é de 44%. Por outro lado, o clima no Brasil também segue no radar dos traders, já que as lavouras de milho safrinha permanecem sendo castigadas pela ausência de chuvas e as altas temperaturas nas principais regiões de produção.

Fonte: Notícias Agrícolas

Milho: Em Chicago, mercado inicia pregão desta 6ª feira com ligeiras desvalorizações, próximo da estabilidade

11/05/2018

As cotações futuras do milho iniciaram o pregão desta sexta-feira (11) com ligeiras perdas. As principais posições do cereal exibiam quedas entre 0,50 e 1,25 pontos, por volta das 8h29 (horário de Brasília). O maio/18 era cotado a US$ 3,94 por bushel, enquanto o julho/18 operava a US$ 4,01 por bushel.
 
Depois do reporte do relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), divulgado nesta quinta-feira, as atenções dos investidores estão voltadas ao plantio da nova safra americana, conforme destacam as agências internacionais. O órgão atualiza as informações de plantio na próxima segunda-feira.
 
Até o último domingo, cerca de 39% da área havia sido cultivada. A média dos últimos anos para o período é de 44%. Por outro lado, o clima no Brasil também segue no radar dos traders, já que as lavouras de milho safrinha permanecem sendo castigadas pela ausência de chuvas e as altas temperaturas nas principais regiões de produção.