http://www.ideaonline.com.br/conteudo/12-grande-encontro-sobre-variedades-de-cana-de-acucar.html
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

Oferta pressiona indicadores em SP

Voltar

Combustível

09/05/2018

As cotações dos etanóis anidro e hidratado recuaram no mercado paulista na semana passada frente à anterior, conforme dados do Cepea. As quedas ainda se devem à pressão de oferta por parte de algumas unidades, devido à necessidade de gerar receita de fim de mês. O Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 1,4468/litro entre 30 de abril e 4 de maio, baixa de 0,81% em comparação com a semana anterior.

O Indicador CEPEA/ESALQ do anidro caiu 1,92% no mesmo período, a R$ 1,6328/litro. Porém, se no mercado físico o preço do etanol hidratado vem caindo há sete semanas, na B3 (antiga BMF&Bovespa) os contratos futuros sinalizam alta a partir do meio do ano. No pregão da sexta-feira, 4, o vencimento Agosto/18, por exemplo, subiu frente ao ajuste de 4 de abril. Naquele momento, o valor era de R$ 1.585,00/m3; já na última sexta, foi de R$ 1.665,00/m3. Essa retomada dos preços a partir de agosto pode estar atrelada à perspectiva de demanda aquecida em São Paulo. 

Fonte: Cepea/Esalq

Oferta pressiona indicadores em SP

09/05/2018

As cotações dos etanóis anidro e hidratado recuaram no mercado paulista na semana passada frente à anterior, conforme dados do Cepea. As quedas ainda se devem à pressão de oferta por parte de algumas unidades, devido à necessidade de gerar receita de fim de mês. O Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 1,4468/litro entre 30 de abril e 4 de maio, baixa de 0,81% em comparação com a semana anterior.

O Indicador CEPEA/ESALQ do anidro caiu 1,92% no mesmo período, a R$ 1,6328/litro. Porém, se no mercado físico o preço do etanol hidratado vem caindo há sete semanas, na B3 (antiga BMF&Bovespa) os contratos futuros sinalizam alta a partir do meio do ano. No pregão da sexta-feira, 4, o vencimento Agosto/18, por exemplo, subiu frente ao ajuste de 4 de abril. Naquele momento, o valor era de R$ 1.585,00/m3; já na última sexta, foi de R$ 1.665,00/m3. Essa retomada dos preços a partir de agosto pode estar atrelada à perspectiva de demanda aquecida em São Paulo.