http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/20-seminario-de-mecanizacao-e-producao-de-cana-de-acucar.html
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/

Produção de energia eólica cresce 27% em 2017, aponta CCEE

Voltar

Energia

18/01/2018

A produção de energia eólica em operação comercial no Sistema Interligado Nacional de janeiro a novembro de 2017, foi 27% superior à geração no mesmo período do ano anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 17 de janeiro, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica em seu boletim InfoMercado mensal. Foram 4.594 MW médios entregues ao longo do ano passado frente aos 3.622 MW médios gerados no mesmo período de 2016.

Com isso, a representatividade da fonte eólica em relação a toda energia gerada no período pelas usinas do SIN alcançou 7,4% em 2017. A fonte hidráulica (incluindo as PCHs) foi responsável por 70,6% do total e as usinas térmicas por 22% do total gerado.

Ao final de novembro, a CCEE contabilizou 489 usinas eólicas em operação comercial no país que somavam 12.470 MW de capacidade instalada, incremento de 24% frente aos 10.045 MW de capacidade das 364 unidades geradoras existentes um ano antes. O Rio Grande do Norte continua com o primeiro lugar no ranking por estado com 1.460,75 MW médios de energia entregues em 2017, aumento de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Em seguida, aparece a Bahia com 900 MW médios produzidos, um aumento de 29,3%, o Ceará vem a seguir com 697,29 MW médios – crescimento de 6,6%. Depois vem o Rio Grande do Sul com 625,94 MW médios (+20%) e o Piauí com 528,07 MW médios.

De acordo com a CCEE os dados consolidados de novembro confirmam ainda o estado do Rio Grande do Norte com a maior capacidade instalada, somando 3.495,25 MW, aumento de 12,8% em relação a novembro de 2016 quando a capacidade instalada era de 3.097,35 MW. Em seguida aparece a Bahia com 2.349,24 MW, elevação de 34,2%, o Ceará está em terceiro com 2.134,96 MW – aumento de 10,6%, o Rio Grande do Sul com 1.777,87 MW e elevação de 12,8%.

Por sua vez o Piauí surge com 1.443,10 MW de capacidade, expansão de 66%.

Fonte: Canal Energia

Produção de energia eólica cresce 27% em 2017, aponta CCEE

18/01/2018

A produção de energia eólica em operação comercial no Sistema Interligado Nacional de janeiro a novembro de 2017, foi 27% superior à geração no mesmo período do ano anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 17 de janeiro, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica em seu boletim InfoMercado mensal. Foram 4.594 MW médios entregues ao longo do ano passado frente aos 3.622 MW médios gerados no mesmo período de 2016.

Com isso, a representatividade da fonte eólica em relação a toda energia gerada no período pelas usinas do SIN alcançou 7,4% em 2017. A fonte hidráulica (incluindo as PCHs) foi responsável por 70,6% do total e as usinas térmicas por 22% do total gerado.

Ao final de novembro, a CCEE contabilizou 489 usinas eólicas em operação comercial no país que somavam 12.470 MW de capacidade instalada, incremento de 24% frente aos 10.045 MW de capacidade das 364 unidades geradoras existentes um ano antes. O Rio Grande do Norte continua com o primeiro lugar no ranking por estado com 1.460,75 MW médios de energia entregues em 2017, aumento de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Em seguida, aparece a Bahia com 900 MW médios produzidos, um aumento de 29,3%, o Ceará vem a seguir com 697,29 MW médios – crescimento de 6,6%. Depois vem o Rio Grande do Sul com 625,94 MW médios (+20%) e o Piauí com 528,07 MW médios.

De acordo com a CCEE os dados consolidados de novembro confirmam ainda o estado do Rio Grande do Norte com a maior capacidade instalada, somando 3.495,25 MW, aumento de 12,8% em relação a novembro de 2016 quando a capacidade instalada era de 3.097,35 MW. Em seguida aparece a Bahia com 2.349,24 MW, elevação de 34,2%, o Ceará está em terceiro com 2.134,96 MW – aumento de 10,6%, o Rio Grande do Sul com 1.777,87 MW e elevação de 12,8%.

Por sua vez o Piauí surge com 1.443,10 MW de capacidade, expansão de 66%.