http://www.fenasucro.com.br/Expor/Quero-Expor/Beneficios/?utm_source=mediapartner&utm_campaign=vendas&utm_medium=banner&utm_content=canavieiros_vendas&utm_term=761x73_201803271729&preload[13935947]=mediapartner
http://www.sugarethanolbrazil.com
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/17-herbishow.html
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://https://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

Subestação de transmissão pretende ampliar a oferta de energia elétrica gerada a partir do bagaço da cana

Voltar

Energia

21/11/2017

Por: Fernanda Clariano

A CPFL Energia, maior empresa privada do setor elétrico brasileiro, e a Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo inauguraram no dia 14 de setembro, em Morro Agudo-SP, a Subestação 500/138 kV-800 MVA, que além de gerar mais robustez ao fornecimento de energia na região e permitir o escoamento das usinas de geração de energia a partir do bagaço de cana, irá beneficiar a exportação de energia elétrica produzida pela biomassa por usinas das regiões de Ribeirão Preto, Franca e Barretos, conectadas ao sistema de distribuição de alta tensão da CPFL Paulista.
 
Instalada em uma área com 150 mil metros quadrados, a subestação recebeu investimentos na ordem de R$ 200 milhões com recursos de investidores brasileiros e chineses.
 
“Com esse investimento abrimos a oportunidade para a expansão de nova geração a partir de biomassa na região com as usinas existentes que querem expandir a sua geração de energia e exportar esse excedente para o sistema interligado nacional. Isso significa melhoria para os consumidores, são 700 mil atendidos em 15 municípios e melhorias para os geradores de energia da região”, disse o presidente da CPFL Energia, André Dorff.
 
A infraestrutura vai facilitar a distribuição ao sistema elétrico nacional da energia produzida por 33 usinas de etanol e açúcar em um raio de 100 quilômetros, que integram o grupo de 201 no Estado que praticam a cogeração.
 
“Toda a bioenergia gerada na região poderá agora se conectar ao sistema nacional e vender essa energia ao mercado. Sem essa subestação, sem ampliação e sem reforço, essas usinas poderiam produzir energia, mas não teriam como vender no mercado”, afirmou Dorff.
 
Considerada uma energia limpa e mais barata do que uma termoelétrica convencional, a biomassa da cana não só garante o funcionamento das usinas, como também é uma alternativa às hidrelétricas, sobretudo no período da estiagem. Atualmente a queima da biomassa fornece 8% da eletricidade consumida no país, mas essa participação pode ser bem maior.
 
Solenidade
 
A inauguração da Subestação 500/138 kV- 800 MVA aconteceu no local do empreendimento, com a presença do secretário de Energia do Estado de São Paulo, João Carlos de Souza Meirelles, representando o governador do Estado Geraldo Alckmin; o presidente da CPFL Energia, André Dorff; o vice-presidente do Conselho de Administração da CPFL Energia, Chen Dalbiao; a vice-presidente de Operações de mercado, Karen Luchesi; o prefeito do município de Morro Agudo, Gilberto Barbeti, além de prefeitos da região; usineiros; empresários e outros convidados.
 
O investimento que começou em 2015 encerrou-se com três meses de antecedência ao cronograma previsto pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Durante discurso, o presidente da CPFL Energia expressou sua satisfação. “Falar em antecipação de obra no Brasil é um tema raro e, em transmissão de energia elétrica, um tema mais raro ainda. Conseguimos terminar o projeto antes do planejado e isso nos dá muito orgulho”, afirmou Dorff que ainda destacou que apesar da crise na economia brasileira a CPFL segue acreditando e investindo no país. “Este ano já investimos R$ 800 milhões até julho e a previsão é de encerrar 2017 com R$ 2,5 bilhões de investimentos, o que faz parte de um programa de cinco anos que se aproxima em R$ 10 bilhões investidos entre 2017 e 2021 nos colocando como um dos maiores investidores privados do Brasil”, garantiu o presidente da CPFL Energia.
 
Representando o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, o secretário de Energia, João Carlos de Souza Meirelles, ponderou que São Paulo tem a matriz elétrica mais limpa do mundo em termos de energia hidrelétrica e, sobretudo, de biomassa e ressaltou que a cidade de Morro Agudo é vital para o Estado. Meirelles disse ainda que a subestação inaugurada no município é absolutamente estratégica porque garante a interação do sistema elétrico nacional. “Este é um momento histórico que é a conexão da região no sistema elétrico nacional. De um lado temos uma região que vai passar a produzir cada vez mais energia de bagaço e palha de cana, porque não queimamos mais a palha da cana, portanto podemos acrescentar uma parte para a geração de energia elétrica e, de outro lado, estamos garantindo o desenvolvimento industrial dessa região”, salientou o secretário.
 
O momento histórico também foi exaltado pelo prefeito de Morro Agudo. “É com grande alegria que o município recebe este investimento de mais de 200 milhões, o maior investimento do século XXI na nossa cidade. A instalação dessa subestação é uma escolha técnica e viável que vai dar solidez e garantia para grandes investidores e também a empresários que queiram investir na cogeração de energia no município de Morro Agudo. Este é um momento histórico e me sinto honrado em poder fazer parte representando os moradores do município”, disse Barbeti.
 
“Essa subestação é superimportante e muito bem-vinda para a nossa região. Além de melhorar para quem tem o bagaço e vai produzir energia, irá melhorar também para a população que terá uma oferta de preço diferenciada e com uma qualidade melhor de energia”, observou o presidente da Copercana, da Sicoob Cocred e diretor do Grupo Viralcool e Santa Inês, Antonio Eduardo Tonielo.

Fonte: Revista Canavieiros

Subestação de transmissão pretende ampliar a oferta de energia elétrica gerada a partir do bagaço da cana

21/11/2017

Por: Fernanda Clariano

A CPFL Energia, maior empresa privada do setor elétrico brasileiro, e a Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo inauguraram no dia 14 de setembro, em Morro Agudo-SP, a Subestação 500/138 kV-800 MVA, que além de gerar mais robustez ao fornecimento de energia na região e permitir o escoamento das usinas de geração de energia a partir do bagaço de cana, irá beneficiar a exportação de energia elétrica produzida pela biomassa por usinas das regiões de Ribeirão Preto, Franca e Barretos, conectadas ao sistema de distribuição de alta tensão da CPFL Paulista.
 
Instalada em uma área com 150 mil metros quadrados, a subestação recebeu investimentos na ordem de R$ 200 milhões com recursos de investidores brasileiros e chineses.
 
“Com esse investimento abrimos a oportunidade para a expansão de nova geração a partir de biomassa na região com as usinas existentes que querem expandir a sua geração de energia e exportar esse excedente para o sistema interligado nacional. Isso significa melhoria para os consumidores, são 700 mil atendidos em 15 municípios e melhorias para os geradores de energia da região”, disse o presidente da CPFL Energia, André Dorff.
 
A infraestrutura vai facilitar a distribuição ao sistema elétrico nacional da energia produzida por 33 usinas de etanol e açúcar em um raio de 100 quilômetros, que integram o grupo de 201 no Estado que praticam a cogeração.
 
“Toda a bioenergia gerada na região poderá agora se conectar ao sistema nacional e vender essa energia ao mercado. Sem essa subestação, sem ampliação e sem reforço, essas usinas poderiam produzir energia, mas não teriam como vender no mercado”, afirmou Dorff.
 
Considerada uma energia limpa e mais barata do que uma termoelétrica convencional, a biomassa da cana não só garante o funcionamento das usinas, como também é uma alternativa às hidrelétricas, sobretudo no período da estiagem. Atualmente a queima da biomassa fornece 8% da eletricidade consumida no país, mas essa participação pode ser bem maior.
 
Solenidade
 
A inauguração da Subestação 500/138 kV- 800 MVA aconteceu no local do empreendimento, com a presença do secretário de Energia do Estado de São Paulo, João Carlos de Souza Meirelles, representando o governador do Estado Geraldo Alckmin; o presidente da CPFL Energia, André Dorff; o vice-presidente do Conselho de Administração da CPFL Energia, Chen Dalbiao; a vice-presidente de Operações de mercado, Karen Luchesi; o prefeito do município de Morro Agudo, Gilberto Barbeti, além de prefeitos da região; usineiros; empresários e outros convidados.
 
O investimento que começou em 2015 encerrou-se com três meses de antecedência ao cronograma previsto pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Durante discurso, o presidente da CPFL Energia expressou sua satisfação. “Falar em antecipação de obra no Brasil é um tema raro e, em transmissão de energia elétrica, um tema mais raro ainda. Conseguimos terminar o projeto antes do planejado e isso nos dá muito orgulho”, afirmou Dorff que ainda destacou que apesar da crise na economia brasileira a CPFL segue acreditando e investindo no país. “Este ano já investimos R$ 800 milhões até julho e a previsão é de encerrar 2017 com R$ 2,5 bilhões de investimentos, o que faz parte de um programa de cinco anos que se aproxima em R$ 10 bilhões investidos entre 2017 e 2021 nos colocando como um dos maiores investidores privados do Brasil”, garantiu o presidente da CPFL Energia.
 
Representando o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, o secretário de Energia, João Carlos de Souza Meirelles, ponderou que São Paulo tem a matriz elétrica mais limpa do mundo em termos de energia hidrelétrica e, sobretudo, de biomassa e ressaltou que a cidade de Morro Agudo é vital para o Estado. Meirelles disse ainda que a subestação inaugurada no município é absolutamente estratégica porque garante a interação do sistema elétrico nacional. “Este é um momento histórico que é a conexão da região no sistema elétrico nacional. De um lado temos uma região que vai passar a produzir cada vez mais energia de bagaço e palha de cana, porque não queimamos mais a palha da cana, portanto podemos acrescentar uma parte para a geração de energia elétrica e, de outro lado, estamos garantindo o desenvolvimento industrial dessa região”, salientou o secretário.
 
O momento histórico também foi exaltado pelo prefeito de Morro Agudo. “É com grande alegria que o município recebe este investimento de mais de 200 milhões, o maior investimento do século XXI na nossa cidade. A instalação dessa subestação é uma escolha técnica e viável que vai dar solidez e garantia para grandes investidores e também a empresários que queiram investir na cogeração de energia no município de Morro Agudo. Este é um momento histórico e me sinto honrado em poder fazer parte representando os moradores do município”, disse Barbeti.
 
“Essa subestação é superimportante e muito bem-vinda para a nossa região. Além de melhorar para quem tem o bagaço e vai produzir energia, irá melhorar também para a população que terá uma oferta de preço diferenciada e com uma qualidade melhor de energia”, observou o presidente da Copercana, da Sicoob Cocred e diretor do Grupo Viralcool e Santa Inês, Antonio Eduardo Tonielo.